• banner4

  • banner3

  • banner1

  • banner2

Dicas de Saúde e Beleza

Imprimir

Adoçantes

Os adoçantes são uma boa opção para substituir o açúcar e diminuir as calorias dos alimentos. Saiba mais sobre eles e como utiliza-los.

Sempre damos preferência a sobremesas com frutas pois ajudam a diminuir as calorias. Para reduzi-las ainda mais, uma outra opção é utilizar os adoçantes para preparar os doces. Os adoçantes dietéticos não possuem carboidratos simples como a sacarose

(açúcar comum, mel), e sim os edulcorantes que são produtos naturais ou artificiais, centenas de vezes mais doces que o açúcar comum.

O adoçante dietético foi desenvolvido primeiramente para atender aos diabéticos que não podiam consumir os carboidratos simples da alimentação e precisavam controlar o nível de açúcar no sangue. Hoje, é utilizado por pessoas também que desejam emagrecer ou manter a forma. É importante lembrar que antes da aprovação de um aditivo alimentar, os órgãos reguladores determinam uma Ingestão Diária Aceitável (IDA), que representa a quantidade segura que se pode consumir deste produto, por dia, durante toda vida. Só para dar um exemplo, no caso do aspartame, os especialistas ligados a Organização Mundial de Saúde (OMS) estabeleceram uma IDA de 40 mg/kg/dia para o Aspartame. Ou seja, uma pessoa de 70 quilos, por exemplo, poderia consumir diariamente até 73 saquinhos de adoçante ou metade da quantidade de um frasco de 75 ml de adoçante ou 47 latas de refrigerante de 350 ml, sendo praticamente impossível chegar a estas quantidades. Em relação às quantidades a serem utilizadas, é sempre bom verificar qual a orientação do fabricante, mas devido ao grande número de marcas e tipos de adoçantes do mercado, comece sempre com uma quantidade pequena e se necessário aumente para adoçar mais. Muitas pessoas se apavoram com as reportagens na Internet sobre as possíveis doenças que os adoçantes podem provocar, mas não existe nenhum estudo que comprove ou mostre esta realidade. Portanto, com moderação os adoçantes artificiais não oferecem perigo à saúde. Saiba um pouco mais sobre eles.

Frutose
A frutose ou levulose é um adoçante natural encontrado na natureza, nas frutas, legumes e mel de abelhas. Tem a característica de entrar mais lentamente na corrente sangüínea do que o açúcar comum, sem necessitar da presença de insulina num primeiro estágio. Assim, faz com que se evite picos de altos e baixos no teor de açúcar no sangue. Mas mesmo assim, os diabéticos devem consultar sempre seu médico ou nutricionista para poder consumi-lo. Apesar de ter o mesmo teor calórico do açúcar, 4 kcal por grama, tem o poder adoçante 50% maior que o açúcar, reduzindo assim o consumo de calorias. Pode ser usado no controle da obesidade e por hipertensos. Não tem sabor residual e suporta altas temperaturas. Por ser um açúcar natural, seu resultado em doces é muito bom. Com ele se faz caldas caramelizadas, sorvetes, compotas, bolos, etc. É encontrado na forma granular (pó).

Aspartame
É um adoçante artificial composto por dois aminoácidos: ácido aspártico e fenilalanina. Para obter o aspartame, faz-se uma cópia fiel destas moléculas que são unidas em laboratório. Por causa deste procedimento é considerado um edulcorante artificial. Não pode ser utilizado em presença de altas temperaturas pois perde o sabor doce. É permitido para diabéticos. Possui sabor próximo ao do açúcar e residual pouco intenso. Não pode ser consumido por portadores de fenilcetonúria, doença genética rara decorrente da incapacidade do organismo de metabolizar o aminoácido fenilalanina. É detectada pelo teste do pezinho, após 48 horas da primeira mamada do recém-nascido. Como é um dos componentes do aspartame, não pode ser consumido por estas pessoas. O aspartame é 200 vezes mais doce que o açúcar. É encontrado em gotas, envelopes e a granel. É encontrado na forma líquida e granular e também numa forma encapsulada, mais estável ao calor, utilizada em alguns produtos comerciais. É ótimo para adoçar cafés, sucos ou qualquer receita que não vá ao fogo e ao forno.

Sacarina/Ciclamato
A sacarina é o mais antigo dos adoçantes. Sua doçura é de 300 a 500 vezes a do açúcar comum. É um dos adoçantes mais aceitáveis do mundo, aprovado por mais de 90 países, inclusive os EUA e a União Européia. Pode ser utilizado em altas temperaturas e por obesos e diabéticos. O ciclamato é um edulcorante artificial, 30 vezes mais doce que o açúcar, aprovado em mais de 50 países, desde que consumido nas porções indicadas pelo fabricante. Como a sacarina e o ciclamato têm efeito sinergético, isto é, quando combinados têm um poder adoçante maior, normalmente são encontrados juntos, e são os mais usados na área da culinária dietética, pois permitem variações em todos os tipos de preparação, suportando receitas de forno e fogão, sem alterar-se. É encontrado na forma líquida, em envelopes e granular. Na verdade, a mistura ou "blend" de adoçantes virou moda obtendo-se produtos com um sabor igual ao do açúcar e com calorias reduzidas, além de diminuir o sabor residual desagradável.

Steviosídeo
Também conhecido como stevia é um edulcorante natural que tem origem da planta STEVIA REBAUDIANA BERT BERTONI, originária da Serra do Amambaí, na fronteira entre o Brasil e o Paraguai. Os índios guaranis a chamam de "Kaá Heê", que significa "erva-doce". Adoça 300 vezes mais que o açúcar. Permitido para diabéticos e pode ser utilizada em receitas que vão ao fogo ou ao forno. É encontrado em pó, líquido ou granular.

Acesulfame K
É usado amplamente em todo o mundo, principalmente Europa. Tem doçura de 130 a 200 vezes maior que a sacarose. Tem o poder de aumentar e intensificar os sabores, mas se usado em altas concentrações, pode ter um leve sabor residual amargo. Normalmente é misturado a outros adoçantes para aumentar o poder adoçante e diminuir o gosto amargo ou em produtos industrializados como mistura para bolos por causa de sua estabilidade ao calor, pois suporta altas temperaturas.

Sucralose
Adoçante artificial, feito a partir de uma molécula modificada de açúcar comum (sacarose). Adoça 600 vezes mais que o açúcar. Pode ir ao fogo. Permitido para diabéticos. Hoje, é mais encontrado em combinação com outros adoçantes ou em produtos industriais.

Novos Adoçantes
Já existe agora um tipo de adoçante que utiliza o açúcar comum aliado a outros adoçantes, deixando o produto com as mesmas características do açúcar comum, mas com menos calorias. Ele pode ser usado no preparo de receitas de doces, bolos, pudins, sorvetes, sobremesas em geral e tudo que necessite de açúcar e em receitas de forno e fogão. Só é preciso observar que é muito mais doce que o açúcar tradicional. Normalmente se reduz à metade ou até ¼ da quantidade em relação ao açúcar. As exceções de uso são para os diabéticos e quem tem restrição ao uso do açúcar, por recomendação médica.